“O espaço viário pertence igualmente a todos os membros da sociedade, com carro ou não"

Enrique Peñalosa conta como Bogotá se tornou uma cidade organizada e inclusiva

22/06/2015


O ex-prefeito relata todas as lutas que teve que enfrentar para transformar Bogotá em uma cidade equitativa. Peñalosa estará no Brasil em setembro para participar da Cúpula de Prefeitos, no Rio de Janeiro.

Enrique Peñalosa / Colin Hughes - Flickr Enrique Peñalosa / Colin Hughes - Flickr A Cúpula de Prefeitos e o Congresso Internacional Cidades & Transportes irão discutir alguns dos assuntos que Peñalosa vivenciou como prefeito: criação de uma cidade para pessoas, o desenvolvimento orientado pelo transporte e construção de uma visão estratégica para cidades.

Para mais informações sobre o programa do Congresso e para fazer sua inscrição acesse cidadesetransportes.org.

Como prefeito, você foi responsável por inúmeras, e às vezes radicais, melhorias na cidade. Qual destas melhorias trouxe mais felicidade para as pessoas?

EP – Nós construímos uma cidade mais para as pessoas e menos para os carros. Tiramos dezenas de milhares de carros das ruas e fizemos novas calçadas. Produzimos comerciais de TV explicando que as calçadas são para conversar, para brincar, para fazer negócios e para nos beijarmos. Fizemos a revolução das calçadas.

O Transmilênio, um sistema BRT, também foi um símbolo muito poderoso de equidade, porque tirou espaço dos carros e deu ao transporte público. Pela primeira vez, as pessoas que usam transporte público vão mais rápido do que aquelas que usam o carro. Isto demostra que a democracia existe, mostra que os cidadãos são iguais.

Talvez a conquista que mais me orgulha é a Alameda El Porvenir,  que possui uma ciclovia rápida de 15 metros de largura e 24 km de extensão e que é usada por milhares de pessoas diariamente para ir ao trabalho. Além desta, a Rota Verde Juan Amarillo Green Way, que liga partes mais ricas da cidade às partes mais pobres, através de uma via verde, também me orgulha.  Nós começamos a construir escolas de alta qualidade em bairros pobres com bibliotecas para mostrar que o conhecimento  é mais importante do que a fortuna.

Quais melhorias deram mais dor de cabeça para você?

 EP – O mais importante é perceber que nós fizemos o que ninguém mais teria feito. Era um conceito completamente novo, novas ideias. Então, nós tivemos muitos conflitos. Talvez o mais difícil tenha sido tirar dezenas de milhares de carros das calçadas. Houve um processo de coleta de assinaturas para meu “impeachment”.  Para implementar um sistema de ônibus, nós travamos uma enorme guerra contra os operadores tradicionais, eles entraram em greve e a cidade ficou quente.

Foi uma batalha também para criar parques porque muitos parques foram fechados pela iniciativa privada. Travamos batalhas ao recuperar a área central que tinha sido tomada pelos traficantes de drogas – uma área localizada a apenas dois quarteirões do Palácio Presidencial e da praça central, um pouco similar, mas cem vezes pior que a Cracolância em São Paulo. Entramos em conflito também para construir espaços públicos, praças que foram completamente tomadas pelos vendedores de drogas. O clube de campo mais elitizado,  que tinha as famílias mais poderosas como membros, teve uma parte de sua área expropriada para a criação de um parque público.

Você disse que "sonha com uma cidade tropical, atravessada por grandes avenidas de pedestres, sombreadas por enormes árvores tropicais, como eixos de vida das cidades". Você foi capaz de conquistar esta cidade?

EP – Eu fui prefeito por apenas três anos e na Colômbia não há reeleição prevista na Constituição. Este período agora é mais longo, de quatro anos.  As cidades que temos hoje – todas as cidades do mundo - estão muito erradas.  Estamos tão acostumados com elas que achamos normal – viver com medo, de ser morto. Mas isso não pode ser normal. Para viver em cidades nós temos que criar lugares com centenas de quilômetros de vias verdes.  Com pessoas e bicicletas nas ruas. Em que você possa cruzar a cidade em todas as direções sem carros. Vai levar algumas centenas de anos para corrigir isso, mas isto irá mudará no momento em que percebermos que o temos hoje é completamente maluco. Que não é o ideal para os humanos no futuro.

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, está sendo criticado pela construção de centenas de quilômetros de ciclovias e ciclofaixas. Qual conselho você daria a ele ou a qualquer outro prefeito que faz mudanças ousadas e enfrenta fortes oposições?

EP – O que o prefeito Fernando Haddad está fazendo é muito corajoso. Um dos problemas mais ideológicos e políticos de nossa era é como distribuir o espaço viário. Espaço viário é o bem mais precioso que uma cidade tem.  Poderíamos encontrar petróleo ou diamantes no solo de São Paulo mas isso não seria tão valioso quanto o espaço viário. Como podemos distribuir o espaço viário entre pedestres, ciclistas, transporte público e carros? O espaço das vias pertence igualmente a todos os membros da sociedade, independente se eles têm carro ou não. Ele pertence tanto a quem está numa rodovia quanto a uma criança sobre a bicicleta. É uma questão, portanto, de democracia. Quem decidiu que deveríamos dar mais espaço aos carros que às pessoas? Quem decidiu que deveríamos ceder espaço para estacionar carros? Devemos lembrar que o estacionamento não é um direito constitucional. O governo não tem obrigação de prover espaço para estacionamento, então acho que é uma discussão muito interessante sobre democracia.

Quando construímos nossas ciclovias, havia poucos ciclistas, quase ninguém utilizava bicicletas. Agora temos cerca de três mil pessoas utilizando bicicletas todos os dias. Devemos lembrar que mesmo numa cidade gigante como São Paulo mais da metade das pessoas percorrem deslocamentos menores que 5 km, então é bem possível que, em algumas décadas, 20% da população utilize bicicletas – não será possível em um ano ou dois, mas talvez em 20 anos. Precisamos lembrar às pessoas que os carros não lhes dão mais direitos sobre o espaço da via que às pessoas sem carro.

O que você aprendeu sendo prefeito?

Quando virei prefeito foi preciso mudar completamente o modelo de cidade. Ninguém acreditava no que estávamos fazendo. Muitas das coisas que criamos agora parecem óbvias. Todos concordam que temos as calçadas amplas, ciclovias e prioridade ao ônibus. Então eu aprendi que precisamos encontrar mais formas de comunicação com os cidadãos, para explicar melhor sobre o que está acontecendo e estimular sua maior participação.

Para ser um bom prefeito você precisa ter sonhos, ter amor pelo que está fazendo. Para ser um bom prefeito você precisa ter muita preocupação com a igualdade. Em nossa sociedade atual, adotamos a propriedade privada e o mercado como a melhor forma de desfigurar a maioria dos recursos da sociedade. É inevitável a desigualdade de renda. Fazer uma cidade para pessoas é fazer uma cidade onde todos são iguais, ninguém se sente inseguro ou explorado. Para ser um bom prefeito às vezes é preciso tomar decisões impopulares, e convencer as pessoas de que no final, será o melhor para a cidade.

Qual frase ou ideia você quer espalhar para o mundo?

EP – Você não define um sistema de transportes, embora você saiba que tipo de cidade você quer. As cidades são a coisa mais importante que estamos fazendo em nossa época. Quando estamos escolhemos uma cidade, escolhemos um estilo de vida. Na vida moderna, diferente de anos atrás, pessoas passam menos tempo em casa e mais em atividades fora. Então é ainda mais importante para a felicidade humana como as cidades são. A cidade deveria ser um lugar divertido. Um lugar de onde as pessoas não desejassem ir embora. Temos que construir cidades onde as pessoas sejam felizes no espaço público. Uma cidade deve promover felicidade.

Enrique Peñalosa virá ao Brasil com o apoio da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro).

 

WRI BRASIL Marca 10 Anos Patrocinadores